sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Nestes últimos dias tenho observado uma coisa interessantíssima, e acabei concluindo que as pessoas perdem a noção de tudo com facilidade. Eu ouço cada uma que me deixa perplexa, pessoas que vêem coisas onde elas não estão e vice-versa, quando as coisas estão berrando e mordendo e o maior interessado não vê; outras que acreditam em qualidades não existentes (aqui um desconto para mães, porque daí já é inerente) e as auto-depreciativas que não são raras também; atitudes sem o menor fundamento, e estou aqui falando do dia a dia, não da situação econômica, política e social mundial que não pretendo discutir, enfim, achei que o mundo estava cheio de gente louca. E está mesmo, mas vejam só, esse não era o motivo. Sem noção pra quem? Pra mim? E quem me pôs na posição de decidir o que é isso? Aí consegui dar mais um passo, ainda bem. Na verdade, é o conceito de normal ou não. O que é ser normal? Para quem? A minha normalidade é tão diferente da normalidade dos outros, então cada um tem a sua, e isso agora soa tão óbvio... Cada um vive lá dentro da sua cabeça, onde o mundo faz sentido, como é então o processo? Precisamos adaptar o que se passa lá ao que se passa aqui fora? Até onde? Até onde eu posso usar o meu "normal" sem ser um monstro social? Eu sei dos limites óbvios, a lei, a segurança, ok, mas e os outros que não são assim tão gritantes? E até onde eu posso me incomodar com as "normalidades" dos outros sem ter vontade de esbofeteá-los com todo respeito? Porque vou dizer, tenho ouvido coisa que até deus duvida.

4 comentários:

Isa disse...

berrando e mordendo; correndo e gritando. AMO.
bjo

Moniquinha disse...

Hummm..
vc não está sozinha na tal anormalidade/normalidade das coisas, é cada uma que nem te conto.

Bjos

Tati disse...

Já dizia o pensado:
De perto ninguém é normal..
Parabéns pela sua casa nova, muito sucesso.
Beijos.
Tati

Anônimo disse...

Clariciana como nunca dantes, Elaine! Bom vê-la tão missiva, especialidade que lhe é tão cara e na qual você caminha com tanta desenvolvura. Adiante! Com meu apoio - Fernando