segunda-feira, 19 de abril de 2010

Ausências



Não sabia porquê queria escrever mas me faltavam as palavras, agora sei que o que falta não são as palavras, o que falta é aquele algo a mais por trás delas, eu tenho visto tanta coisa, sentido, vivido tantas coisas, novas, diferentes e boas, mas aquele velho sentimento que ficou sem endereço - ou a ausência dele - abre um buraco que me cala, come as minhas palavras, atropela a concatenação das minhas ideias, seca a minha veia dramática, fagocita os meus pensamentos. Não é de todo ruim, porque no auge tudo fica mais intenso, as cores mais fortes, os olhos brilham. Mas há momentos em que eu queria voltar a sentir mais profundamente, algumas camadas abaixo da epiderme, naquele lugar que eu busco nos momentos que mais se assemelham ao caminho que me leva aonde eu já estive. Mas os caminhos ficaram tão acidentados, a jornada tão longa e sem descanso, a água escassa, que acabei pegando um atalho, sem Ariadne pra me ajudar a voltar. E o lugar foge de mim. Mas só quero procurar o caminho de novo se desta vez estiver ensolarado.

Um comentário:

Téia disse...

beiba, anda 100pre com um novelim de lã.
ensolarado me parece 100perigos, 100acidentes, 100aventura...
não rola!
bj
ps: to 100pc ainda. to a ponto de matar um!
aguardemos em oração para q meu coração peludo não se revolte!
bj